Notícias

COLETIVA DE IMPRENSA

Comunidade acadêmica quer saber tamanho do impacto do corte de recursos à UFS

Data de Publicação: 01/08/2017

Em atividade realizada na manhã de terça, dia 1°, as três entidades representativas da UFS reforçaram a reivindicação para que a real situação financeira da universidade seja publicizada de forma precisa e completa diante de toda a comunidade acadêmica e sociedade sergipana. Em um auditório lotado na sede da Adufs (clique aqui para ver as fotos), a Coletiva de Imprensa contou com ampla divulgação nos meios de comunicação e serviu também como bom aquecimento para a Paralisação Nacional da quarta, dia 2, que contará com adesão dos Técnicos da UFS.

"Estamos aqui reivindicando que a Reitoria publicize em que situação estão as contas da UFS. Vários Reitores de universidades pelo país já fizeram isso: mostraram que não vai haver verba para manter as atividades e pelo que já sabemos a verba de custeio aqui só chega até setembro. Portanto, em outubro há grande possibilidade de que a UFS feche as portas, declare férias coletivas, interrompa o período por tempo indeterminado ou demita trabalhadores, como acontece em universidades pelo país", avalia Wagner Vieira, coordenador de Comunicação do Sintufs.

RESPOSTA
No início da tarde a Reitoria da UFS respondeu através de uma nota publicada no portal UFS aos questionamentos da imprensa sergipana após provocação do Sintufs, Adufs e DCE. No texto, a administração da universidade admite a possibilidade de "problemas de execução de despesas de energia, bolsas, pessoal terceirizado (limpeza, segurança, apoio operacional etc)", mas não explicita em números precisos o quão próximo estamos dessa realidade e nem quais serviços serão afetados primeiramente.

Diante desse quadro, os TAEs da UFS irão manter a mobilização desde as primeiras horas da manhã na quarta, dia 2, com concentração inicial às 6h nas entradas de veículos e de pedestres do Campus São Cristóvão para panfletagem e diálogo inicial. Em seguida, seguirão junto a professores e estudantes em marcha pelos setores e salas de aula da UFS convocando toda a comunidade acadêmica para a luta em defesa da UFS e da universidade pública brasileira, cujo processo de sucateamento vem sendo extremamente aprofundado no ilegítimo governo Temer.