Notícias

CULTURA

SEXTA DO CHORINHO: CULTURA E MEMÓRIA DOS TRABALHADORES DA UFS

Data de Publicação: 05/12/2018

Atividade cultural promete animar aposentados e pensionistas

Choro: substantivo masculino, ato ou efeito de chorar, ação de verter lágrimas, pranto. No samba, cabe à linguagem do choro prantear o instrumento em compasso com as tristezas e alegrias do peito. "Ah, se tu soubesses como sou tão carinhoso, tanto tanto que te quero". Na tarde de 7 de dezembro, o Sintufs organiza a "SEXTA DO CHORINHO", com a participação do projeto Movimento do Choro Sergipano. A Coordenação Executiva do Sintufs aproveita a oportunidade para convidar todos os aposentados e pensionistas a trazerem imagens antigas da Universidade e do Sindicato, memórias e afetos, com o objetivo de construir o arquivo memorial do Sintufs.

Para o coordenador de Comunicação do Sintufs, Wagner Vieira, o evento pretende reunir a categoria com foco especial nos aposentados, além de organizar um primeiro esforço na construção de um arquivo memorial do Sintufs. "É garantir a atividade cultural para toda a categoria mas com recorte especial aos aposentados do Sintufs, e aproveitar a presença e a disposição dos colegas para que eles tragam imagens, recordações do sindicato e da universidade que contam uma parte importante de nossa história e que não podem se perder, para que possamos começar a organizar o memorial do sindicato". 

Movimento do Choro Sergipano

Presente há 5 anos no cena cultural do estado, o Movimento do Choro Sergipano é um coletivo que reúne músicos e interessados no gênero da capital ao interior. De acordo com Sérgio Thadeu, membro do grupo, o movimento tem como objetivo difundir  a linguagem do Choro em Sergipe, além de divulgar nomes de artistas consagrados, como o clarinetista Luis Americano e o trombonista Zé das Velhas, considerado o maior trombonista em vida do choro sergipano e parceiro de Silvério Pontes nos circuitos do Sudeste do pais. 

"Nossas referências são os clássicos, como Pixinguinha, Jacob do Bandolin, Valdir Azevedo, Ernesto Nazaré, além de nomes emblemáticos sergipanos, como o Zé das Velhas, que mora no Rio, e doLluis Americano". Além das rodas mensais no Café da Gente Sergipana, o Movimento também organiza um programa de rádio na Aperipê AM aos domingos por mais de 3 décadas. 

Sexta-feira, 7 de dezembro, às 17h na Sede do Sintufs, Avenida Governador João Alves, nº 547, Jardim Rosa Elze. O por do sol do Rosa Elze nos aguarda para uma tarde de choro, abraço e memória. Entrada gratuita.