Notícias

POSSE

Data de Publicação: 09/01/2019

Um novo ciclo se inicia no Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos da UFS (Sintufs). Com a transmissão de posse da Coordenação Executiva e Conselho Fiscal da entidade, realizada na sede do sindicato na noite de segunda, dia 8, a gestão “A Luta Continua – Nenhum Direito a Menos” passou ao novo grupo a tarefa de organizar a categoria no biênio 2019-2020. O nome da nova gestão, eleita no último pleito da entidade realizado em novembro, denota bem a tônica dos enfrentamentos que virão: “SOMOS A RESISTÊNCIA – A LUTA CONTINUA”. Para acessar o album de fotos da posse, clique aqui.

“A nossa gestão foi marcada por pautas nacionais de luta contra Reforma da Previdência, a Reforma Trabalhista e terceirização ampla. Conseguimos resistir contra a Reforma da Previdência, mas infelizmente essa pauta está retornando. É fundamental que o movimento sindical se firme na luta contra essa pauta que quer destruir nossa aposentadoria”, destaca Fábio dos Santos, que deixa a Coordenação Geral do sindicato e assume a pasta de Trabalhadores Terceirizados, de Empresas Conveniadas e/ou Contratadas.

Companheira de Fábio na função da Coordenação Geral do sindicato, Bryanne Araújo enaltece que esses dois anos de atuação do Sintufs foram fundamentais para que a chama da luta permanecesse acesa. “Continuamos fazendo do Sintufs um sindicato de referência no estado de Sergipe, um sindicato combativo e classista”, destaca.

Assumindo a partir de agora a função de coordenadora de Administração, Bryanne aposta que a unidade da classe trabalhadora é o único caminho para impedir a retirada de direitos nos próximos anos. “Precisamos estar unidos porque o que está por vir para a classe trabalhadora, são tempos difíceis”, defende, enaltecendo ainda que a resistência específica na UFS, entre todos os trabalhadores – celetistas e estatutários –, é fundamental para que essa resistência seja efetivada.

 

A IMPORTÂNCIA DAS LUTAS

Prestigiando a cerimônia da posse da nova gestão, o coordenador geral da FASUBRA Sindical, Antônio Alves, destacou que diante da atual conjuntura de ataque aos direitos dos trabalhadores e em especial diante dos ataques à educação, a Federação tem feito um trabalho de buscar ainda mais a unidade de suas bases nos estados. “Estar presente nesse momento com os companheiros do Sintufs, que tem uma história de luta aqui do estado de Sergipe, é fundamental. Nós defendemos, acima de tudo, não só essa unidade no conjunto da base da Fasubra, mas também que as entidades de base atuem para além dos muros das universidades”, afirma.

E não foram poucas as atividades empenhadas pelo Sintufs nesses dois anos. Atendendo ao chamado de praticamente todas as atividades entre 2017 e 2018, os servidores da UFS não só se fizeram presentes nas atividades nacionais da Federação, mas participaram ativamente nas grandes manifestações e mobilizações desse nefasto período de ataques aos direitos. Seja presente nas Greves Gerais convocadas pelas centrais sindicais, exercendo um papel central na organização desses movimentos, seja somando nas atividades de combate ao neofascismo no Brasil, os servidores não arredaram os pés da luta em nenhum momento desse período.

 

NOVO FÔLEGO

Para o início dos trabalhos em 2019, a nova gestão  “SOMOS A RESISTÊNCIA – A LUTA CONTINUA” encontrará um sindicato com as contas equilibradas, graças a um planejamento financeiro prevendo as dificuldades nesse próximo ciclo.

“Fizemos um planejamento financeiro de modo a não apenas investir na luta, mas o sindicato também poupou recursos para que possa utilizar da melhor forma possível nesse novo governo de Jair Bolsonaro”, destaca Filipe de Oliveira, que se torna suplente na nova gestão após desempenhar a função de coordenador financeiro do Sintufs. “O sindicato está com uma boa saúde financeira para as lutas que se aproximam”, garante.

Esse novo fôlego para a organização da luta inicia que se inicia em 2019 já conta com diversas atividades e reuniões em pautas importantes. O objetivo da Coordenação Executiva será de manter a intensificar as mobilizações.

“Somos uma gestão de continuidade. Alguns desafios são os mesmos, outros virão com uma força muito maior. Está se instalando um governo extremamente autoritário, reacionário, e quem vem atuando diretamente contra os trabalhadores e contra as minorias. É o momento em que precisamos juntar forças, ter um movimento político muito bem articulado”, avalia Juliana Cordeiro, servidora do campus São Cristóvão que assumirá a pasta da Coordenação Geral do Sintufs.

Ao seu lado, Wagner Vieira, que exercia a função de coordenador de comunicação, passa a assumir agora a Coordenação Geral. “Sabemos das dificuldades que serão esses dois anos da nossa gestão no governo Bolsonaro. Travamos batalhas muito importantes no governo Temer, buscando a unidade da classe trabalhadora com os movimentos sociais, as centrais sindicais, as federações, são importantíssimos para manter a luta em defesa dos nossos direitos sociais. Resistir: essa é apalavra do momento. A resistência é que vai fazer com que continuemos nossos direitos”.