Notícias

ASSEMBLEIA

Trabalhadores da UFS rejeitam Future-se em todos os Campi

Data de Publicação: 14/10/2019

Assembleias de base ocorreram nos meses de setembro e outubro. O objetivo das atividades é pressionar a reprovação do Projeto na UFS

Agora é oficial: os trabalhadores técnico-administrativos da Universidade Federal de Sergipe (UFS) responderam um estrondoso “não” ao projeto Future-se. A última assembleia de base ocorreu no Campus Lagarto na manhã desta segunda-feira (7), quando o plenário reprovou  por unanimidade o projeto do MEC.

“Demonstramos os impactos do Future-se na vida das universidades e institutos federais, o perigo das Organizações Sociais (OS´s) na gestão, a cobrança de planos de saúde nos Hospitais Universitários, o fim de nosso plano de carreira com mudanças no PCCTAE, além dos buracos no corpo do projeto que podem conter novidades ameaçadoras. A categoria entendeu e rejeitou por completo”, afirma Fábio Farias, coordenador de Formação Política e Sindical do Sintufs.

As assembleias de base ocorreram entre os dias 11 de setembro e 7 de outubro. Para ter acesso à avaliação do Sintufs sobre o Future-se, clique aqui. Para ler a avaliação do Grupo de Trabalho de Educação da Fasubra, clique aqui.

RUMO À ASSEMBLEIA GERAL

O objetivo da Coordenação Executiva do Sintufs é articular a rejeição do Future-se em uma grande Assembleia Geral Universitária com todos os setores da comunidade acadêmica: estudantes, trabalhadores técnico-administrativos e docentes. Como a administração acadêmica se recusa a tomar uma posição clara sobre o projeto e apontar para a sua rejeição nos conselhos deliberativos da UFS, cabe aos setores que compõe a única universidade pública de Sergipe o protagonismo deste processo.

“Até o momento 24 universidades rejeitaram o Future-se em seus conselhos deliberativos, isso sem contar com a UFPB que deliberou em assembleia geral convocada pela Reitoria. Como o reitor da UFS se recusa a se posicionar sobre o Future-se, nós tomaremos a dianteira. Estamos em contato com a diretorias da Adufs e DCE para organizarmos uma grande assembleia, mas nosso dever de casa está feito”, afirmou Wagner Vieira, coordenador Geral do Sintufs.